Como fazer humor

Tudo começou com Higór.

(Esse seria um bom título para o artigo, mas eu escolhi o tradicional “como fazer” para evitar futuros atentados contra minha pessoa. Outros que poderiam ter sido escolhidos seriam “como não ser um idiota escrevendo”, “como não fazer besteira com seu editor de textos”, “Meu primeiro artigo sério” ou “que porcaria é essa que você escreveu?!”)

Antes de mais nada, uma leve retrospectiva do que levou à formação da equipe Classjokers.

(Caso você não esteja interessado em saber, ou já conheça a equipe enteriormente, vá para o outro parêntese)

Sério, foi ele quem me inspiroiu indiretamente a escrever bem assim como escrevo. Há dois anos atrás, antes de eu estudar na federal daqui (que chique!), eu odiava escrever, e odiava ir pra escola. Gostava de algumas pessoas da antiga escola (leia de novo o algumas, eu não gostava de você aí), mesmo assim, não gostava de ir à escola. Eis que eu passo [tirandoonda] em 3º lugar [/tirando onda] na federal, e conheço o que inicialmente seria chamado de G4.

Eu já conhecia Dandan da outra escola, e conheci Higór (por sinal, a primeira frase que eu disse a ele foi :”Ei, vamos fazer amizade? Me dá um pedaço do seu lanche?”) e 2pac (esse simplesmente porque tinha o mesmo nome que eu). Estava formado o G4 – Grupo dos 4 melhores, e estávamos situados (e estamos até hoje) no fundo da sala de aula.

Algum tempo depois, um ser – por sinal, o ser mais noiado que eu já conheci- chamado Tevê Escola, sai da frente onde originalmente sentava-se e junta-se a nós, e passamos a autodenominar-nos como “G4+Tevê”, que depois passou a simplesmente G5.

Nesse tempo, já conhecíamos Tefinho e Zezinho, com quem fazíamos esporadicamente trabalhos e batíamos babas.

Mas não é sobre isso que vim aqui escrever. Começou quando Higór, nos intervalos de velho Gunbound, me mostrou esse artigo da desciclopédia; foi a primeira vez que tive contato com humor bem feito (diferente de Zorra Total, A praça é nossa, Casseta e Planeta, e outras porcarias que encontramos por aí). Desde então, li bastante artigos da desciclopédia, coisa de pelo menos 5% dela (achou pouco? são apenas mais de 16 mil artigos…). Aí descobri minha habilidade para escrever humor. Quando a professora de português propôs o trabalho sobre textos jornalísticos, pensei logo em fazer minha “mini-desciclopédia”, e Higór pensou em fazer seu “mini-hoje-é-um-bom-dia” (o que é isso e como ele viu sua habilidade com humor, ele escreve uma outra hora). Mas não foi apenas isso que me fez escrever a porcaria que eu escrevo hoje, existem mais coisas, e é sobre elas que eu venho escrever agora.

(Se não está interessado em saber nossa história, leia a partir daqui)

Para escrever um texto realmente engraçado, deve-se acima de tudo ler muito. Sim, se você tem preguiça de ler, nem tente ser engraçado. Vá jogar paciência no PC (não mando jogar pinball pois provavelmente você perderia antes de fazer 1 milão de pontos). Só assim você pode ter uma base sólida para construir seus textos.

Findo essa parte essencial, tenho aqui algumas dicas:

(As coisas aqui não estão por ordem de importância, e sim de lembrança)

  • Bom português é bom em qualquer lugar – mesmo que todos falemos errado, jamais devemos escrever errado, pois o fato de escrever-mos certo demonstra o quão superiores somo àqueles que são por nós zoados. Use também de estruturas que as pessoas raramente usam (como nosso famigerado “nãoseioquear-me-á”) e também palavras pouco usadas que te dão a imagem de pessoa culta, mesmo não o sendo.
  • Riscos são legais, mas use-os com parcimônio – Os riscos nas palavras, imortalizados pela desciclopédia tem o sentido de fingir que não está ofendendo ninguém, quando na verdade o está fazendo (para quem não entendeu ainda, isso é o risco nas palavras), porém, o texto fica bagunçado visualmente quando você abusa deles, ou usa riscos muito longos. além de ficar cansativo para o leitor.
  • Humor negro não é para todos – Eu particularmente sou fã de humor negro, porém, a maioria das pessoas não acha isso. Muitas pessoas simplesmente não compreendem que humor negro apenas ridiculariza o preconceito, não o aumenta. Por isso, não deve fazer-se os artigos utilizando-se de preconceitos, nem ridicularizando diretamente alguém, mas…
  • Críticas indiretas dão charme – Caso seu artigo seja sobre críticas, use de indiretas para criticar o que seja de sua preferência. Assim, as pessoas ficam com cara de retardadas e você pode rir delas nos comentários. O próprio Classjokers é recheado dessas críticas*.
  • Lapide bem seu texto – Um texto bem lapidado é essencial. Um texto lapidado é aquele que consegue ser sucinto sem perder seu conteúdo, é aquele texto onde a leitura flui facilmente, onde o leitor não fica cansado ao lê-lo. Para lapidar seu texto, escreva-o e deixe esquecido pelo tempo que achar necessário e faça algo útil (se é que você é capaz), depois pegue seu texto e leia-o. Você perceberá que alguma palavra não se encaixou bem em determinado lugar, uma frase poderia substituir outra, etc…
  • Seja engraçado, não apenas idiota – Não escreva simplesmente tudo aquilo que você julga engraçado para um texto. Pense primeiro no seu público alvo para adequar a linguagem. Depois pense no tipo de pessoas que vão ler o texto para utilizar-se de assuntos que com certeza farão o leitor rir igual a um retardado. Depois, lembre-se dos tópicos anteriores e pronto, seu texto estará mais perto da tão sonheada perfeição!! E lembre-se que a linha entre o engraçado e o retardado é muito tênue, as vezes nem uma linha é, é apenas uma vírgula no lugar errado (valeu pela dica Desciclopédia!!!)
  • Conheça bem o tema que você irá desenvolver – Não adianta nada você querer escrever um texto criticando os emos, se você não sabe o que é exatamente um emo, até porque as possíveis (e vindouras) críticas e defesas tem que ser reabtidas ou você perderá a sua credibilidade como escritor. Zoar é legal, mas zoar e não ter medo do que vem depois é melhor ainda.
  • O visual também é importante – Olhe seu texto. Ele é realmente bonito? Veja se ele não é apenas um aglomerado maciço de palavras, se tem pontuação de menos, pontuação demais, etc… Um texto bonito estruturalmente é mais gostoso de se ler, e as pessoas  lêem à primeira vista, não esperam um momento de ócio para fazê-lo.
  • Você leria seu texto? – Essa pergunta é crucial, não adianta fazer um texto com tudo o que está ali emcima e o texto não ser apetecedor. Após terminar seu texto, vá fazer alguma coisa, e leia-o de novo e veja se você realmente leria ele. Você é a primeira pessoa a quem o texto deve parecer bom.

LEIA

Ali em cima está escrita a opinião da equipe Classjokers, um blog que tem pouco mais de um mês de vida e pouco mais de 30 artigos, caso ache que nós não passamos de um bando de farsantes, que simplesmente copiamos os textos da internet problema é seu consulte esses indivíduos a seguir, pois eles tem vertiginosamente mais experiência que nós:

  1. Desciclopedia – Uma clássica sátira da wikipédia, reúne o melhor material que os humoristas anônimos tem pra dar (a maldade continua na sua cabeça).
  2. Hoje é um bom dia – Ganhou o título de melhor blog da internet no ano passado, o favorito de Higór merece destaque pelo fato de simplesmente existir, leia o confira por si só.
  3. Nerd Calculista – Uma indicação de Higór, mostra um autor escrevendo sobre como ele se fode (nas palavras dele mesmo), tem um texto maravilhoso.
  4. Mundo Canibal – Apesar de não tratar sobre textos, os autores sabem como ninguém criar situações engraçadas e bordões novos a cada vídeo.

Findo isso, seu texto tem que estar “semi-bom”; porque ele só ficará bom depois da prática, segundo nossa querida professora de português (a responsável por esse texto estar sendo veinculado aqui); caso ele ainda não esteja bom, o problema passa a ser o tema, você escolheu o tema errado, procure outros, existem realmente uma variedade inacrebilivaeble de temas que você pode discorrer.

Espero que isso tenha ajudado você a compreender melhor o quão difícil é construir um texto de humor, e passe a dar mais valor ao nosso trabalho; não simplesmente achar que tudo que a gente escreve é bom e que a gente num posta porque é malvado.

Se você não compreendeu, você realmente deve começar uma conta no Tibia.

Até lá, que Nimb role bons dados pra você!!!

By AgaGê

*Vai um desafio, aquele que detectar todas as críticas que fizemos até hoje, ganha o direito de escolher o tema pra um post.

18 comentários sobre “Como fazer humor

  1. Desculpe, essa tua tentativa de ensinar a escrever me faz lembrar Dean Moriarty, um jovem vagabundo que jamais teve o hábito de ler, pedindo a Sal Paradise que o ensinasse a escrever livros! Vc certamente sabe que isso se passa em “On The Road”, de Kerouak. E quem Dean jamais aprendeu coisa alguma do que pretendia. Faltava-lhe talento.

    Curtir

  2. Obrigado, deu pra aprender algo sim. Quando você vai escrever e ensinar a galera sobre “como fazer pra manter um blog medíocre, babaca e infantil”?

    Curtir

    • Se você não gostou do trabalho, não quer dizer que ele é simplesmente ruim. Muita gente já disse, conhecidos e desconhecidos, que nosso trabalho é bom. Você tem todo trabalho de achar ruim, mas chama-lo de medíocre é demais. Tente outros textos se este não te apetece =D

      Curtir

  3. Geeente, então quer dizer que o Nerd Calculista é mais famoso do que eu pensava? Muito legal esse mundo paralelo de blogs na Internet *-*

    Curtir

  4. Geeente, então quer dizer que o Nerd Calculista é mais famoso do que eu pensava? [2]

    Chorei de emoção. [2]

    Ahahahahaha, agradeço o prestígio :D [2]

    quotar é vida [1]

    Curtir

  5. Olha aqui, “seu AgaGê”, até que vc não escreve mal. Esta foi a 1ª vez que visitei seu blog, através do Ueba, o que torna prematura uma avaliação desse jaez. Entretanto, vc é muito ingênuo, quando imagina ser possível ensinar a redigir e, ainda mais, textos humorísticos. Vc precisa amadurecer, com todo o respeito à sua imaturidade. Um dia vc chega lá!

    Curtir

    • primeiramente, obrigado pelo elogio!!!!
      Eu pensei em escrever esse post quando uma leitora do blog (cujo nome prefiro não revelar) contatou-mevia msn pedindo que postasse mais alguma coisa. O fato é que meu último post tinha saído à 3 horas!
      Não tive nenhuma intenção de formar Ph.D’s na difícil arte de escrever, mas sim criticar aqueles que acham que, simplesmente por escrevermos alguns textos bons, temos a obrigação de sempre escrever um monte de coisa, e ainda por cima com qualidade. Quis realmente mostrar o quanto é difícil escrever algo
      (também tive a intenção de homenagear os caras dos blogs que eu citei =D)
      Espero que isso suavize as críticas…

      Curtir

  6. Tem uma palvara escrita errada no ítem.

    – Bom português é bom em qualquer lugar:

    …estruturas que as pessoas RARMENTE usam… o certo é RARAMENTE.

    Fora isso, muito bom o texto!!! rsrsrs

    Abs

    Curtir

Digaê

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s