Sobre meninos e armas

Tinha outro post planejado pra hoje, mas é impossível não falar disso.

Por G1:

“Começaram a ser enterrados, no fim da manhã desta sexta-feira (8) os corpos de crianças mortas pelo atirador Wellington Menezes de Oliveira na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio.”

Com esse bombardeio de informações ontem, pensar foi uma coisa inevitável. Então eu pensei, e pensei, e lembrei de algo: Havia algum tempo que eu queria assistir a um documentário, Bowling for Columbine, e por pura preguiça eu não o fiz. Então decidi fazê-lo.

Ao mesmo tempo em que eu assistia a esse documentário, eu vi essa noticia, ainda no G1:

“Não dá para acreditar que um garoto que era o bobo da sala se tornou um criminoso”. Ainda incrédulo com o massacre na escola municipal Tasso da Silveira e a caminho do velório de Larissa dos Santos Atanásio, uma das 12 crianças que morreram no ataque de quinta-feira (7), o estudante Bruno Linhares de Al”meida, de 23 anos, falou com o G1, na manhã desta sexta-feira (8).”

E essa notícia me fez me lembrar de dois vídeos, um longa-metragem:

E também de um videozinho de 40 segundos, que virou sucesso absoluto na internet:

Agora, depois que tudo isso ocorre, ainda tem gente que fica procurando motivo pra esse cara ter entrado num colégio e matado as crianças. Pra mim é completamente óbvio o porquê (e esse é o único dos porquês que eu sei usar conforme a gramática culta) dele ter cometido esse crime: Ninguém gostava do cara.

Ah, que isso, é besteira, ninguém faz uma coisa dessas porque é sozinho, faz porque é louco. A pessoa tem que trabalhar e ser decente, nao importando se alguém gosta dela ou nao.

É o que as pessoas dizem em condições assim. Mas qualquer um que já sentiu que não era querido por ninguém sabe o que eu to falando. Qualquer um que já apanhou na escola apenas por existir naquela forma, entende perfeitamente o que esse cara fez.

Vejamos o caso do “Zangief Kid”, na entrevista citada, ele disse que “Dia bom é o dia em que ninguém mexe comigo”. Só com isso a gente já vê como a nossa vida é linda em relação à do garoto, e como é entendível o fato dele ter usado a sabedoria soviética de Zangief-pai para se livrar do garotinho perverso que lhe agredia. Esse vídeo gerou comoção mundial, todo mundo entendeu o porque do jovem Casey ter feito o que fez. Mas porque ninguém consegue entender o que Wellington Menezes fez?

Simples: A palavra morte e a palavra religião.

Porque Casey Heynes não matou ninguém, o que ele fez foi legítima defesa. Mas Wellington matou 12 crianças inocentes, então ele é um filho da puta louco e extremista religioso. Acho que as coisas não são bem por aí.

Quem viu o “Última Parada 174” viu, e provavelmente entendeu, porque e como um menino entra num ônibus, sequestra-o e faz o estardalhaço que ele fez (a menos que seja algum tipo de paulista de direita, esses tipos a gente ignora). Primeiro você tira o amor fraternal ou amizades dele, depois tira as oportunidades, por fim mostra-lhe o preconceito, o resto ele vai fazer sozinho.

Mas ainda tem gente que mesmo depois de ver isso ainda acha loucura alguém entrar num colégio e matar criancinhas, numa paródia moderna das histórias de lobo mau. E porque diabos a mídia não esclarece de uma vez o motivo? Simples: religião.

O maluco deixou uma carta de teor completamente religioso, falando que “impuros não deveriam tocá-lo, etc, etc,etc..“. Qualquer pessoa com bom senso, sabe que essa carta provavelmente foi fruto de um estado máximo de raiva e perda de controle do que de “fanatismo religioso”, mas a mídia pelo visto não. E eles parecem também ignorar o fato que existem fanatismo religiosos muito piores do que esse, mas como uma das grandes mídias de comunicação nacional hoje é declaradamente evangélica, mexer com essas coisas é ruim, então melhor deixar em suspensão do que dizer o óbvio.

A meu ver, está pateticamente óbvio que o menino era pouco querido na escola, não tinha amigos depois dela, recebia muito pouco amor de qualquer parte, e isso foi se acumulando como uma bola de neve na sua cabeça, até que ele fez o que todos temos vontade de fazer algum dia, mesmo que inconscientemente: Matar alguém. Mas como ele escolheu criancinhas ao invés de outras pessoas como ele, pobres e desfavorecidas, ele é a personificação do anticristo. Pra quê fazer faculdade de psicologia quando as coisas estão tão na cara?

Para mim, isso só mostra o quão boba, feia e cara de mamão a sociedade é hoje em dia, e quanto falta para que realmente essas coisas parem de acontecer e a mídia bata no banco de areia da escassez de notícias bombásticas.

E que Nimb role bons dados para vocês!

Um comentário sobre “Sobre meninos e armas

Digaê

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s