Ninguém morre virgem

Vocês devem estar querendo saber o que ocorreu comigo nesse período ausente. Ou talvez não estejam, mas se já lia  blog há algum tempo antes sabe que eu não ligo se você que saber ou não, só sabe que eu vou contar, então fecha a aba do facebook e lê essa porra.

Tudo começou no tenebroso mês de março, quando acabou o carnaval e eu vi que o livro de fisica tinha mais de 200 exercícios por capítulo, e que eu não tinha contado o de matemática nem o de química. Então eu larguei a vida de vagabundo profissional e resolvi pegar no batente.

Lembram-se que a biblioteca veio abaixo né? Pois é, mas não demoro muito até que a gente conseguisse pegar livros, foram só umas duas semanas paralisada. Mas vocês tem que ter em mente que eu tentei USP, então qualquer dia é prejuízo. Além do mais, eu faço curso técnico, então todas as horas da manhã são dedicadas à ele (figurativamente, porque o bom e velho hábito de matar aulas ainda perdura). Então me restavam as tardes e noites, que foram duramente sugadas pelo vestibular.

Aí tá, decidi virar nerd à moda antiga. Nada de vida social, nada de tardes ociosas, apenas estudo, estudo e estudo. Até me prometi que não ia me focar em mulher, que ia me concentrar. Pergunta:” Consegui cumprir a promessa?” Sim, foi uma pergunta retórica. Agora outra pergunta retórica: “O negócio deu certo?“. Pois então, Me envolvi no lance, acabou não dando certo, e eu me fodi no final, como de praxe. Outra pegunta, dessa vez não-retórica: “Aonde terminou essa história toda?“, na cachaça, tenho que dizer.

Acabou que meu meio de ano foi uma tentativa pra relaxar de todo esse stress. Já tinha entrado no kung fu, o que tava ajudando pra caralho, e aí aproveitei o embalo e me diverti um pouco na única coisa boa que Porto Seguro tem de bom pra oferecer: Alcool barato e festa todo dia.

Voltei pro colégio achando que ia voltar num gás total. Tolo engano. Sim, as coisas podiam se tornar pior.

Quase ninguém ouvir falar, a mídia não noticiou porra nenhuma, mas quem tava no meio do furacão acabou saindo de lá sem as calças.   O sindicato nacional dos servidores federais em educação (SINASEFE) aka “rebanho de feladaputa” resolveu entrar em greve porque achou que tava ganhando pouco. Porra, não tiro o direito da greve, só acho que essa merda não devia acontecer no meu ano de formatura. Mas, como no meu caso, até murphy era otimista, foi o que aconteceu.

Acabou que a galera do primeiro, segundo e terceiro ano teve férias esticadas, 90 dias de folga (15 das férias do meio do ano e 75 de greve) mas eu não, eu tava no colégio todos os dias, ou ao menos de segunda à sexta, das 7-8 da manhã até 5 da tarde, isso quando eu não estudava de noite.  Pensem numa pessoa destruída.

Eu sei que vocês não tem um intelecto bem desenvolvido e ainda não perceberam o que isso significa. Isso significa que eu vou ter aula até FEVEREIRO, me entendam bem, FEVEREIRO. A galera pré-4º ano pelo menos teve as férias forçadas no meio do ano, eu não, eu vou ficar praticamente sem férias (com excessão desse recessozinho de fim de ano que já acaba dia 2 de janeiro). Invejem minha situação.

Ah é, teve também um agravante, minha formatura foi pro saco. A gente se preparou o ano inteiro, pagou um “carnê”, fez barraca no são joão, fez a porra da estrutura toda e quando a gente viu onde ia dar, só conseguimos mesmo foi fazer um churrasco, sem família nem nada. Tá que o churrasco foi impagável, presenciei e protagonizeis cenas impossíveis de traduzir para o cinema, mas mesmo assim não foi a mesma coisa.

E pra arrematar, esse verão não trabalharei. A princípio pode parecer uma coisa boa, mas levando em conta que ano que vem é meu ano de calouro na faculdade (ou assim espero), eu preciso de grana pra me estabelecer lá (seja lá onde “lá” for), então to na merda. Eu até tinha esquematizado um trampo, fui recreador infantil por 12 dias na semana da criança (finja que a semana tem 12 dias) e a empresa sinalizou que contraria a mesma equipe para o verão. Como o coordenador do setor era gente boa, conhecido, disse que me liberaria para minhas provas de vestibular e tudo. Mas isso também não poderia dar certo, o cara resolve sair da empresa 2 dias antes d’eu começar a trampar, e acabei por não poder pegar o trabalho.

Ah, eu contei que não passei na USP?

Então, como disse o Kurt Cobain: “Ninguém morre virgem, a vida fode você antes disso.“. Sou prova viva disso.

E que Nimb role bons dados para você!

Um comentário sobre “Ninguém morre virgem

Digaê

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s