Trote – versão AgaGê

Higór fez o dele e eu esqueci de fazer o meu.

Meu trote começou antes de entrar na universidade, mas não da forma gay que Higór escreveu, o meu foi realmente trote antes da faculdade. Tudo isso porque eu moro em república, e cheguei aqui uma semana antes. Logo quando eu cheguei, minha aparência se assemelhava a uma espécie de primo itt do agreste, devido ao modo como meu cabelo estava imenso.

Isso causava algumas confusões, visto que por aqui todos os bichos tem o cabelo devidamente fudido de alguma forma (que varia desde raspagem total até desenhar o símbolo da republica), então decidiram que eu estava cabeludo demais e que cortariam meu cabelo. Na verdade, os veteranos da casa são preguiçosos demais pra cortarem eles mesmos, dai isso só aconteceu porque, num churrasco de aniversario aqui, umas veteranas (devidamente alcoolizadas) resolveram cortar, resultado:

Detalhe muito importante, a tesoura não tinha fio a pelo menos 5 anos, o que fez parecer que cortavam meus cabelos arrancando eles pela raiz, o que pareceu fazer as veteranas muito mais felizes. Detalhe para a parte que quem mais sofreu com esse meu novo estilo capilar foi minha mãe, visto que o foda-se estava bem ligado de minha parte.

Aí começaram as aulas, quer dizer, começou o trote, porque a maravilhosa invenção da calourada é adotada aqui, então a primeira semana é ociosa (na verdade, só os 3 primeiros dias, mas sabe como é né?). No primeiro dia, levaram a gente pro centro e desovaram num sinal, daí deram tinta pra gente e disseram “se pinta!”. Isso foi bom, porque eu gostava da minha roupa linda como era (era uma blusa cinza sem desenho, mas foda-se), dai eu me pintei e tirei a blusa, pois o calor imperava, e eu sou quase um shiryu de dragão no quesito strip tease. Pra completar a sensualidade, eu escrevi “ENC” bem grande na barriga.

Passei horas no sinal pedindo moedinhas, arrecadei alguns míseros reais, suei mais que tampa de panela e fui-me embora.

Até que teve uma festa na republica. Momentos antes dessa festa, chegou um veterano que ainda não tinha me zuado e resolveu que eu ainda tinha muito cabelo. Resultado: bye bye cabelo nas laterais. Só que isso durou pouco, porque alguns veteranos se compadeceram de minha situação e acharam que meu cabelo tava cagado demais, e me deram o golpe de misericórdia: rasparam até o talo:

Então eu tive que ficar de garçom na festa. Seria normal se não tivessem me apelidado de “Olodum”, e me fizessem dançar a cada vez que alguém chamasse-me por esse apelido. Adicione um pouco de alcool no sangue e me imagine servindo cerveja desse jeito. Nada muito bonito né?

Então é isso, agora estou num outro level da vida, e com certeza tá no modo hard. Cálculo, por favor, vá se foder, grato.

E que Nimb role bons dados para você!

Um comentário sobre “Trote – versão AgaGê

Digaê

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s